Episódios Perdidos

 Traduzida por Mohamed


Eu não quero estourar a bolha de ninguém aqui... Por isso, se você acredita naquelas lendas de “Episódios Perdidos" assombrados e gosta de viver nesse “mundo”, talvez este post não seja para você . Não me interpretem mal - eu odeio quando as pessoas queixam-se da " falta de realismo " no mundo do entretenimento, e eu acho que todas as crianças precisam acreditar em Papai Noel e da Fada do dente o máximo tempo quanto possível, mas ... isto é diferente.

Nos anos 80 eu conheci esse cara, Sid, que costumava cortar fitas VHS antigas e tal. Era mais do que um hobby para ele - era praticamente toda a sua vida. Seus pais eram um pouco mais ricos do que eu tinha sido abençoado com, por isso quando éramos adolescentes e eu trabalhava escravizado em um " Skats " (sim, Skats ), um restaurante fast food, ele só andava pela casa, cortando fitas. Todos os dias. A noite toda.

Claro que, quando ficamos mais velhos nosso passado fica um pouco mais claro, então acho que ele poderia ter tido um pouco de autismo ... ou talvez ele fosse uma pessoa com hiperatividade ou com Asperger... Mas é claro que eu não sou nenhum expert e eu não estou dizendo que esse tenha sido o caso. É apenas a melhor e mais rápida maneira que eu posso pensar para explicar sua personalidade e esta obsessão com o corte de fitas, só cortando e cortando fitas.

Tudo começou quando ele viu “Meu Melhor Companheiro" quando criança. Por alguma razão, seus pais o deixaram assistir aquela merda. Se você não estiver familiarizado com ele, é o conto de um menino e seu cão. Espero não ter que dar o spoiler de um filme tão velho, mas no final o menino tem para atirar no seu próprio cachorro, que ficou raivoso. Sid não gostou disso. Seu pai fotografava e gravava casamentos, então ele mostrou a Sid como operar algumas das máquinas... E Sid cortou o final, substituindo-o por uma cena anterior, mais feliz como se Meu Melhor Companheiro de repente tivesse " ficado melhor ".

Ele assistia a fita obsessivamente depois disso, quando eu o conheci, em sua adolescência. Ele me fez assistir uma vez para mostrar como ele o "consertou", e eu pude realmente imaginá-lo como um menino quando ele começou aplaudir e torcer com seu próprio final.

Eu não quero dizer que eu era uma má influência, mas depois que eu assisti, perguntei se ele poderia fazer isso com outros filmes.

Meu maior interesse era talvez pegar um filme ou dois e colocar alguns quadros de nudez que as atrizes realmente não tinha feito... Mas não se preocupem. Eu nunca tive coragem de perguntar se ele realmente faria. Eu só imaginava o quão seria legal. Várias vezes.

Sid me disse que sim, ele poderia "consertar" qualquer filme que ele quisesse. Na verdade, ele tinha feito com alguns outros. Ele tinha uma cópia do desenho dos Caça- Fantasmas e - eu não estou zoando - cada fantasma tinha sido completamente removido. A história não fazia sentido, não havia continuidade, mas ele tinha feito isso e fiquei muito impressionado. Eu acho que no tempo de VHS, essas coisas pareciam mais mágicas do que eles parecem hoje.

Conforme o tempo passou, eu fui encorajando Sid a editar mais filmes, mas com finalidades diferentes. Em vez de suavizar todo o material assustador como ele queria fazer, eu fiz ele "ver a luz" sobre as coisas incríveis que ele poderia fazer.

Em algum lugar lá fora, uns fãs gordinhos de Star Wars do nosso colégio tem todos os três filmes originais perfeitamente cortados e juntados, com edição de efeitos que teriam feito o próprio George Lucas gritar: " Não se intrometa! "

Nós cobramos vinte reais por uma única cópia, porque éramos idiotas.

Enfim, isso continuou por um tempo antes de eu perder meu interesse. Foi mais uma brincadeira para mim do que para ele. Este é o ponto onde eu comecei a trabalhar, comecei a dirigir , começou a tomar iniciativa com as garotas locais... Enquanto ele ficou cada vez mais envolvidos no corte das fitas.

Eu acho que seus favoritos eram desenhos. Quando Os Simpsons chegou, ele ficou louco com eles. Agora suas edições não eram mais sobre consertar as coisas, e sim apenas quebrá-las de maneiras interessantes. Outra coisa que ficou em minha mente foi quando ele gravou um episódio de M * A * S * H e cortou com um velho filme de guerra sangrenta. No meio da sua versão , o campo é bombardeado... Soldados invadem... Todo mundo morre. No final, ele trabalhou especificamente em congelar os rostos de cada membro do elenco. Olhos fechados.

Ele inverteu completamente os seus interesses e abraçou o que antes o assustava... finais assustadores. Ele parecia amar coisas como, sequencias longo de tirar o fôlego, com um silêncio aterrador. Ele me fazia ficar quieto enquanto eu os assistia também.

Você pode ter ouvido falar sobre este homem misterioso chamado Banksy, que vai criando graffitis interessantes e outras coisas. Em um ponto, ele entrou em uma loja de música e substituiu alguns CDs de Paris Hilton com suas próprias falsificações .

Banksy não tinha nada a ver com o Sid. A cada duas semanas, ele me contava sobre algumas lojas ou locadoras de vídeo em que ele conseguiu colocar algumas de suas fitas. Ele trocava os reais pelas suas versões, e então ele começava tudo de novo, cortando as que ele havia roubado.

Uma vez, quando eu não tinha ouvido falar dele ha muito tempo, eu passei na casa de seus pais e o encontrei na garagem. Ele montou seu próprio estúdio de cinema lá, completo e com uma prancheta de desenho.

Ele estava, na verdade, animando um conteúdo inteiramente novo.

De uma vez só, eu estava tanto encantado com sua habilidade artística que eu nunca tinha visto antes... quanto muito preocupado com quando esse cara iria sair do escuro e começar a agir "normal", como eu.

Ele mal tirou os olhos de seus desenhos enquanto nos falamos. Lhe perguntei o que qualquer criança, agora no final da adolescência, iria perguntar...

"O que diabos está errado com você ? "

" Hm ? "

"Sério , cara. Isso é loucura. "

"É um trabalho. Estou trabalhando. Meu trabalho é tão importante quanto o de qualquer outra pessoa . "

" Você está ao menos vendendo isso de novo, ou você está apenas os colocando em lugares? Quanto tudo isso está custando ao seu pai? "

"Eu não me importo. "

Olhei para o que ele estava com ilustrando com tanto fervor.

"Isso é um corpo sem cabeça ? Dançando ? "

"É ".

" Isso é muito dark, cara. "

" Eu sei. Esse é o ponto. "

"Eu não entendo. "

" Essas fitas . Pensei que elas estavam erradas, mas com o tempo eu descobri a verdade. "

"Que é ...? "

" As coisas assustadoras são o certo. Os finais felizes que são mentira. "

Ele só continuou desenhando enquanto eu estava lá. O silêncio era perturbador, e naquele momento eu podia sentir o cheiro que saia dele. Não era só suor. Era uma mistura de uma bunda suja e um pano encharcado de mijo.

Eu odeio dizer isso , mas eu desisti dele naquela hora. É aquele momento em que você olha para alguém ... Alguém que você achava que conhecia... e tudo o que você pode pensar é ... "Puta merda, eu nunca pensei que eles iriam tão longe."

Não foi até que aos 30 anos que Sid passou pela minha cabeça novamente. Eu estava buscando na internet, apenas vagando sem rumo na web, quando me deparei com uma série de " lendas urbanas " sobre fitas VHS , filmes estranhos re-cortados, e os episódios perdidos.

Alguns deles eu reconheci. Eu os tinha assistido com Sid, ou já tinha o visto trabalhando com eles. Cada cena perturbadora, cada tirada inacreditável... Eu acreditava na lenda , porque eu tinha estado lá.

Tinha outros... desenhos do Bob Esponja, os episódios de iCarly ou qualquer outra coisa, esses vieram muito tempo depois que eu tinha me afastado de Sid, mas o estilo era muito familiar. Mesmo os que não pareciam ser sua obra, pareciam ter sido cópias do seu jeito ou tentativas de imitar seu trabalho.

Ele ainda estava fazendo isso. Meu Deus, aquilo travou minha mente.

Liguei para o número antigo do Sid, não sabendo ao certo se eu ainda o encontraria lá. Ele tocou por alguns minutos, e eu sabia que a busca era impossível. Mesmo que ele ainda vivesse com seus pais, não era provável que eles ainda vivessem na mesma casa até agora.

Ainda assim...

Decidi ir até sua antiga casa para ver se ele ainda estava naquela garagem, cortando fitas, ou os manipulando através do computador, ou qualquer coisa que ele estivesse fazendo. Quando passei pela casa, vi que o gramado havia sido coberto por um grande e volumoso, mato alto. A fachada em ruínas da casa, com a sua pintura descascando ao redor das persianas, faltando telhas, e com as sarjetas cheias de lama me diziam que ninguém vivia ali há muito tempo.

Eu vi um bilhete na porta, mas não conseguia lê-lo da rua. Talvez fosse algo que eu pudesse usar para localizar Sid e ver se ele já tinha procurado a ajuda que agora percebi que eu deveria ter dado a ele.

Entrando no caminho, meus faróis iluminaram a porta da garagem. Estava sem janelas e tinha sido vandalizado com os símbolos gangster de alguma banda de idiotas.

A nota na porta, como se poderia esperar, falava de um banco que agora era proprietário do imóvel. Observo que invasão foi fortemente desencorajada, e que em um determinado momento alguém iria para se certificar de que a casa foi " comprometida ". O que quer que isso seja.

Enquanto eu caminhava de volta para o carro, derrotado, algo estava me incomodando. Eu sabia que os pais de Sid deixavam uma chave reserva sob uma pedra falsa nas escadas dos fundos, basicamente devido a Sid ter nos trancado pra fora em diversas ocasiões.

Quando eu descobri a chave, uma sensação de frio, aquele arrepio de medo, no meu estômago.

Quem iria se mudar e deixar tudo no lugar como este? A chave era a coisa mais óbvia, mas vasos de flores e decorações de jardim ainda estão lá. A velha bicicleta Huffy enferrujada de Sid estava encostada na casa, e tinha criado grossas listras enferrujados ao longo do revestimento de alumínio.

Eu não sei mesmo o que eu esperava encontrar, mas usando a chave, entrei na casa.

O cheiro era forte.

Não é um cheiro pútrido, nada podre ou em decomposição... Apenas o cheiro de... Eu não sei se isso faz algum sentido para você , mas... o cheiro de eletricidade. Como a poeira queimada em uma lâmpada ou um aquecedor exalando o cheiro peculiar de metal aquecido.

Essa era a menor das minhas preocupações, no entanto, quando vi tudo exatamente como eu havia deixado na visita anterior. Tudo que a família do Sid tinha, parecia congelada no tempo. A mesa da sala de jantar onde nós todos nos sentamos em muitas ocasiões, estava coberta de poeira e tinha um rato morto cima, que já tinha praticamente virado pó.

A televisão... aquela volumosa televisão de grandes dimensões, a qual nós todos sentamos em volta para assistir as fitas de Sid e elogiamos a sua criatividade... estava onde sempre esteve, exibindo silenciosamente um violento bombardeio de estática em preto e branco.

Enquanto fui andando pelos quartos, a sensação de pânico e desconforto dentro de mim só crescia. Cada fibra do meu ser gritava “CORRA... CORRA, seu idiota!”

Ainda assim, fui ai quarto de Sid. Ele agora estava vazio e em condições precárias. As suas figuras de ação premiada e fitas de vídeo em branco... centenas de fitas de vídeo... obsoletas e danificadas pelas infiltrações.

Eu quase queria chamar... gritar " Sid ! " e esperar ele aparecer como se nada estivesse fora do comum.

Eu fui para o quarto de seus pais.

Lá, deitados na cama, estavam dois corpos imóveis. Gaunt. Gray. Metade virou pó , assim como o rato na sala de jantar.

Eu mal podia acreditar no que eu estava vendo com meus próprios olhos. Não apenas os dois corpos estavam lentamente se dissipando dentro dessa área suburbana... como ninguém tinha dado falta deles. Ninguém descobriu isso até agora.

Minha mente surtou. Meu coração disparou . As únicas coisas que não se moviam eram os meus pés, que ficaram colados no local.

Sid , pensei, deve ter feito isso. Não havia maneira dos dois terem apenas se deitado uma noite e morrido de causas naturais, juntos! Sid tinha dito que não se importava com seus pais, e ...

Quando foi a última vez que eu tinha visto? Deus, eu não tinha visto por dias, talvez semanas ANTES da última vez que falei com Sid ...

Quando finalmente sai do quarto, peguei meu celular e comecei a discar o 190. No entanto, assim que eu o coloquei no ouvido, um ruido ensurdecedor de interferência quase me fez arremessar o objeto pra sala.

Corri para o telefone da cozinha. Guinchando estática.

Tentei o telefone da sala só para ter certeza. Estática.

Não foi até que eu ponha o telefone na base, que eu ouvi. Musica. Baixa, quase inaudível que eu não tinha notado antes. Parecia ser alguma melodia repetitiva... feliz e leve ... algumas flautas, talvez trombetas.

Segui a melodia animada para a porta que vai para a garagem. Pressionando meu ouvido na a superfície suja da porta, eu vi que a música realmente vinha dali.

" Sid ? " Eu chamei , mal conseguindo formar o nome com os lábios frios, dormentes ", Sid, você está aí ? Você está bem? "

Eu tentei abrir a porta só para ver que estava de alguma forma bloqueada do outro lado. Estava, na verdade, já que um chute selvagem quase tirou a madeira apodrecida de suas dobradiças.

" SID ? " Gritei quando a poeira baixou lentamente.

Através da neblina, eu só podia ver a luz de uma tela de televisão. As cores vibrantes. Azul, verde, amarelo...

Logo, eu pude ver um desenho animado tocando na tela. Em seguida, os fios de prata que vinha do próprio equipamento, até alguma massa escura conjunto. Em seguida, a massa escura tomou forma quando os meus olhos se ajustaram à iluminação estranha.

Era Sid... ou melhor , o seu corpo... não estava morto há tanto tempo como seus pais, sentado em uma velha cadeira de escritório. Os fios do aparelho de televisão levavam diretamente para o seu corpo, acabando por desaparecer em várias crostas de buracos em sua carne. Através de uma pequena abertura carcomida em suas costelas, eu pensei ter visto mais metal dentro.

Eu andei para o lado de Sid, com a minha mão sobre a minha boca, com medo de vomitar. Seu rosto estava torcido em um hediondo, sorriso, largo... suas órbitas quase vazias parecia feliz, bordado por uma linha da sobrancelha satisfeita.

"Olá ! " Ouvi uma voz dissonante .

A voz era otimista. Estridente. Soou quase como Sid , mas... diferente. Cartunesca, como de desenho animado.

Me virei para a tela. A grama verde, o céu azul , as flores amarelas... e Sid . A perfeita caricatura dele. Ele caminhou ao longo do loop infinito no fundo utópico do desenho animado. Ele acenou para mim.

" Sid ... " Eu sussurrei, "Oh Deus, Sid ... "

Ele... a versão cartunizada dele... voltou sua atenção para longe de mim e continuou a passear alegremente através daquele ciclo interminável do mesmo pano de fundo. Ele passou por um arbusto... depois passou de novo... e mais uma vez... O mesmo passarinho, cantando alegremente, voou através do céu em uma figura oito.

" Sid... " Eu balancei a cabeça, incapaz de compreender o cenário, "Eu nunca deveria ter deixado você sair da realidade. "

Eu pensei sobre o que Sid tinha feito com sua mãe e seu pai. Eu pensei sobre como o banco viria em breve e como tudo isso viria à luz. Eu assisti Sid caminhar por cerca de uma hora e meia.

Então eu desliguei o set.



Bons Pesadelos...

Antiga Fábrica Trol



Muitas pessoas conheceram quando eram crianças os brinquedos fabricados pela empresa Trol, instalada na cidade de São Paulo.
A Trol foi uma grande fábrica de brinquedos, instalada às margens da Rodovia Anchieta (Coordenadas GPS: Latitude/Longitude = 23°38'22.64"S, 46°35'16.29"W), a qual criava em sua linha de produção o sonho de muitas crianças das décadas de 1960, 1970 e 1980. Eram brinquedos talvez simples, se comparados aos que existem hoje na praça com tecnologia avançada utilizando até em alguns casos, microprocessadores. Os brinquedos fabricados naquela época eram triciclos, carrinhos de plástico sendo miniaturas dos carros da época, como opalas, corcéis, caminhões Ford, Scania, etc.... Também eram fabricados diversos jogos de tabuleiro de mesa, coisa que hoje em dia está lentamente caindo no esquecimento, pois a preferência da garotada são os videogames e jogos informatizados.



Infelizmente a fábrica da Trol foi a falência em meados da década de 1990 devido às crises geradas pelos governos da época, em conjunto com a inflação galopante que assolava o país naqueles anos. Muitos funcionários com anos de casa perderam seus empregos, ficando desempregados em uma época de crise no país. No ano de 2008 o terreno da antiga fábrica de brinquedos Trol se encontrava abandonado, em ruínas, com seus galpões demolidos desde anos atrás, estando o local nesta data, tomado pelo mato e pelo abandono.

Após anos de abandono, pessoas que passaram pelo local começaram a relatar fatos estranhos, como o avistamento de aparições e vultos no terreno da antiga fábrica, e mesmo no pequeno prédio dos antigos escritórios na parte frontal da antiga empresa.
Esses relatos contam que geralmente são vistos um homem de camiseta branca vagando pelo local, uma silhueta branca flutuante e as vezes aparições de uma garotinha.

Para verificar se as histórias sobre o local eram ou não verídicas, no mês de Julho/2008, eu (Antonio Carlos), um grande amigo (Ednaldo) e uma grande amiga (Fernanda), fizemos uma visita no terreno da antiga fábrica, com o intuito de possivelmente registrar através de filmagem e fotografias alguma das aparições que, segundo testemunhas, são vistas no local. Nesta visita comparecemos durante o dia, pois como não conhecíamos o local, decidimos que esse horário seria o ideal para se realizar um reconhecimento do terreno, e caso algo fosse captado, voltaríamos outro dia à noite com mais equipamentos e pessoal.

Chegamos ao terreno abandonado da antiga Fábrica da Trol, localizado na Rua Tocantínia, no bairro do Sacomã em São Paulo, próximo ao município de São Bernardo do Campo, e ao lado da Rodovia Anchieta, onde encontramos alguns "moradores" no local, os quais estavam instalados no antigo escritório da empresa (também em ruínas). Pedimos "permissão" para visitar o local, e conversamos com uma moradora, a qual disse que à noite ouvia ruídos estranhos nas dependências do antigo escritório da empresa (utilizado na época como moradia) e também no terreno, sendo que seu cão latia sempre, como avisando que teria avistado algo nas proximidades.

Essa foi a primeira indicação que realmente havia algo de estranho no local. Seguimos então fazendo um reconhecimento no terreno, o qual se encontrava coberto pelo mato e possuindo várias marcas dos alicerces dos antigos galpões onde eram produzidos os brinquedos quando a fábrica estava em atividade. Durante nossa caminhada, filmamos e fotografamos vários locais, cantos, matas e detalhes do terreno, com zoom e sem zoom, de toda forma, sendo que alguns fatos estranhos aconteceram. Minha amiga Fernanda, a qual tem sensibilidade com relação à ocorrências paranormais, chegou à ouvir vozes em uma mata no fundo do terreno, mas não conseguiu compreender o que estava dizendo.

Em certo momento me afastei dos meus companheiros, me dirigindo ao portão principal para trazer o carro para mais perto, ficando em local mais seguro. Ao mesmo tempo, o Ednaldo e a Fernanda estavam no fundo do terreno filmando e fazendo verificações no terreno. Nesse momento, a Fernanda olhou em direção ao antigo escritório da fábrica, o qual fica próximo à entrada principal e viu uma pessoa de camiseta branca descendo e se dirigindo para a mata. Então ela chamou o Ednaldo e disse que eu (Antonio Carlos) estava voltando. Nesse instante o Ednaldo disse à ela que eu não estava com camiseta branca e sim preta. Quando olharam novamente aquela "pessoa" havia desaparecido. Nesse momento me contactaram pelo rádio, sendo que eu estava na rua em frente ainda manobrando o carro.

Perguntamos às pessoas do local, e ninguém estava com camiseta branca nesse dia. E haviam pouquíssimas pessoas por lá, apenas a "moradora", seu marido e algumas crianças. E no local para onde aquela suposta "pessoa" se dirigiu não havia nada, apenas mato e um pequeno córrego no fundo. Outro detalhe interessante é que a pessoa realmente se parecia comigo (Antonio Carlos) até no jeito de andar. Verificamos posteriormente as filmagens, e dá para se ver nitidamente no canto da tela a pessoa de camiseta branca descendo, e se olhando com atenção, verifica-se que realmente se parecia comigo. Foi uma pena que a filmagem se interrompeu naquele momento, pois a Fernanda que estava filmando não havia percebido o detalhe da camiseta branca e acionou o "Stop" da filmadora. Então apenas dá para se ver em poucos instantes a "suposta pessoa" com camiseta branca descendo em direção à mata.

Essa descrição "bate" com os relatos de um homem de camiseta branca que circula pelo local. Mais adiante, foi tirada uma outra foto, a qual está a seguir e pode-se verificar ao fundo um vulto branco. Ampliando-se o Zoom, pode-se verificar que o vulto está "flutuando" na mata e tem uma silhueta branca, com a cabeça baixa, como pode ser observado na fotografia publicada aqui. Tem que ser salientado, que não houve montagem alguma nesse foto, nem adulterações e nem o intuito de se "criar" algo para impressionar as pessoas. É uma foto 100% legítima, pois o nosso objetivo em investigar o local foi de colher provas reais e verdadeiras sobre as aparições que circulam pelo local relatadas por diversas pessoas.

A filmagem tem que ser tratada para se selecionar a cena com o "homem de camiseta branca", e posteriormente será publica no site. Concluímos então que realmente existem atividades paranormais no local, e caso seja feita uma visita noturna, com certeza mais registros poderão ser captados.

É dito que as vezes os espíritos ficam presos aos locais onde passaram grande parte de sua existência, principalmente quando o apego pelo local era muito grande.

Seria esse o caso das aparições na antiga Fábrica de Brinquedos Trol?

No círculo vermelho, pode-se observar o vulto branco, o qual está "flutuando" na mata com a cabeça inclinada para baixo. A foto foi tirada ao acaso, pois no momento não havíamos observado nada de anormal nesse trecho do terreno. Apenas após se analisar as imagens que observamos essa aparição, a qual é 100% legítima.


Devido à indisponibilidade de tempo e pessoal, infelizmente não retornamos ao local para mais investigações, sendo que atualmente (Ano de 2011) o terreno da antiga Fábrica de Brinquedos Trol foi limpo, e é utilizado como um estacionamento.

Será que com essa transformação do terreno e com o aumento do movimento no local, as atividades sobrenaturais cessaram?


Bons Pesadelos...

Vlog do Terror - #1 - Acervo Maldito



Um suicídio, acontecimentos estranhos... História baseada em acontecimentos reais. Além da história, o Acervo Maldito trouxe uma ideia diferente, um vídeo ao estilo "vlog" porém com tema terror. Sem edições técnicas ou roteiro, a ideia é a de contar histórias de maneira direta,
no inicio do vídeo haverá um introdução explicando melhor sobre isso.




Sorriso - Lenda Urbana




Sabe quando você está deitado a noite na cama... O que pode aparecer no seu quarto?
O Lenda Urbana te da uma idéia...

Bons Pesadelos...

Sem Olhos - #ProjetoTerror




A volta do Projeto Terror, agora com textos como opção para vocês



Barulhos ao redor de casa, você escuta? Eu conheço uma história sobre isso...

John sempre ia dormir tarde, desde quando ainda era uma criança, quando era ainda um bebê todas as noites acordava chorando, mas seus pais sempre acharam que era normal, muitos bebês choram a noite. Por volta dos oito anos de idade, sempre pedia pra dormir junto aos pais porque ele tinha medo do escuro, o que também é comum nessa idade. Quando era um pouco mais velho, ele não conseguia simplesmente se deitar e esperar o sono, durante o dia ele brincava no quintal, assistia desenhos animados, depois tomava banho e passava as tardes e noites jogando videogame evitando ficar deitado por muito tempo. Em sua adolescência passava madrugadas usando seu computador, ao se deitar sempre escutava música com fones de ouvido para manter a mente ocupada, ele sempre esperava seu corpo e mente estarem cansados pra quando ele fosse se deitar não ficasse muito tempo tendo que esperar que o sono chegue.

John se tornou um rapaz triste, vivia com olheiras, não conseguia se relacionar com outras pessoas, era introspectivo, tentou suicídio mais de uma vez, certa noite acordou gritando, seus pais assustados correram até o quarto, acenderam a luz e ele estava no canto, agachado, virado para a parede com as mãos nos olhos, sua mãe foi até ele para tentar saber o que estava acontecendo mas ele não queria tirar as mãos, era como se ele estivesse protegendo os olhos enquanto chorava.

Devido ao seu comportamento, John foi internado em um hospital psiquiátrico, seus pais nunca souberam, mas John não era louco nem depressivo, o que acontecia era tudo consequência do que ele via todas as noites em seu quarto. John apagava as luzes e se deitava, os sons ao redor da casa começavam, passos, de alguém que arrastava os pés, o som de alguém que forçava a janela, instantes depois ele via na sua frente um ser em meio a penumbra do quarto, com uma silhueta humana, a criatura não falava e apenas murmurava alguns sons, vestindo roupa preta e usando capuz, seus olhos... ou... onde eles deveriam estar... só havia a escuridão. Os buracos eram contornados pelo brilho de uma máscara que aquilo usava. Nela, não haviam orifícios pra respirar, nem boca. Só haviam gotas de um líquido viscoso negro que escorria dos buracos onde seus olhos não estavam. Um odor seco o rodeava... o odor frio, da morte, ele foi atraído pelo brilho refletido nos olhos de john, ele veio buscá-los...

Sons ao redor de casa, você também já deve ter escutado alguma coisa, quando você é pequeno e escuta sons na janela, você provavelmente pode achar que seja a madeira sofrendo os efeitos de dilatação com a variação de temperatura, talvez seja o vento se você ouvir ela bater, se lá fora algo cair ou fizer algum barulho, pode ser um rato derrubando algo, um morcego, ou até um pássaro se acomodando em algum lugar de passar a noite. Provavelmente, talvez, deve ser, isso é o que dizem pra você não ter medo, afinal todos querem achar uma explicação, todos querem ter uma boa noite de sono.

Mas pode ser ele, querendo seus olhos... você fica muito tempo deitado esperando o sono chegar? Qualquer luz que reflita nos seus olhos pode ser um convite para que ele venha buscá-los, você está pronto para esperá-lo? tem coragem? bons pesadelos...

O Pianista




Uma nova Creepypasta traduzida pelo Mohamed, e você pode ler ou ouvir a creepypsta no video dele... você escolhe.



Pactos com o diabo sempre acabam mal, não importa o quão duro você tente pedir algo justo. Eu aprendi isso da maneira mais difícil, e agora. Agora eu sou um monstro. Tudo o que eu amava tão profundamente escorregou das minhas mãos , nada é como deveria ser . Eu deveria tê-la. Era para eu ser feliz com ela. Agora ela se foi ... e tudo que me resta é este maldito piano. Não importa o quanto eu odeie esse estúpido, estúpido piano ... Eu sou obrigado a tocá-lo pelo resto da minha vida maldita nesta terra.

Eu era um homem bem de vida . Eu tinha algum dinheiro , uma casa boa e um bom carro . Eu também tinha charme , oh , o número de mulheres que eu tinha seduzido para a minha cama . Eu poderia ter qualquer mulher no mundo, mas eu tinha os meus olhos postos nela, Alice. Ela era uma mulher tão bonita . Seus lindos cabelos marrons , descendo em cachos e os olhos cor de âmbar . Eu não posso descrever sua beleza com meras palavras . Mas eu não era o seu tipo de homem . Eu ia de garota em garota, enquanto ela preferia ficar em um relacionamento sério . Eu amava uma vida de luxo, mas ela estava contente em viver em um pequeno apartamento urbano . Eu amava as músicas das baladas enquanto ela adorava o som de um piano clássico. Ela não sabia da minha existência , e isso que me atraiu nela. Ela era algo que eu não podia ter e que eu queria tanto .

Eu decidi que a melhor maneira de chamar a atenção dela era aprender a tocar piano. Eu sei que a maioria das pessoas teria apenas tentado falar com ela ou algo assim , mas isso simplesmente não parecia certo para mim. Eu queria que ela me admirasse, me idolatrasse . Então, eu tentei ... mas só fracassei . Aparentemente, eu não tinha mãos de pianista, nem tinha nenhum talento musical. Eu decidi falar com os meus amigos sobre isso. É claro que eles riram de mim , me dizendo que eu era idiota por tentar, mas eu realmente queria ela e o único jeito que eu tinha de conquista-la era saber tocar aquele maldito piano. Então meu amigo disse algo que me fez pensar .

"Você não sabe, todas as pessoas com " talento " venderam a alma pro diabo ? " Eu sei que ele estava brincando, mas e se? E se houvesse uma chance de que eu pudesse vender minha alma para ter esse talento musical? Ela teria que gostar de mim agora ,não?

Eu comecei a pesquisar tudo que tinha pra saber sobre a invocação do Grande Demônio mesmo. É claro que haviam idiotas falando pra que eu não fizesse isso , que coisas ruins vão acontecer e blá blá blá . Decidi fazer o ritual à meia-noite , parecia uma boa hora e ninguém iria me interromper. Após muitos encantamentos nada aconteceu ... bem nada parecia ter acontecido. Havia algo ali , não era visível, mas eu podia dizer que estava lá. Então eu pedi para fazer um acordo com ele. Ele riu e riu , mas concordou. Eu teria talento musical e ele teria a minha alma em troca , tudo o que eu tinha a fazer era assinar o contrato. Bastante simples, mas aquela coisa era enorme , tipo como os termos e condições que eu simplesmente não li e assinei em baixo.

Eu ia logo aprender que eu deveria ter lido. Como eu fui idiota. Como o demônio prometeu, foi incrível. Eu tinha muito talento, eu podia ler e escrever música e ficava incrível. Eu gentilmente pedi ao teatro local para que abrissem as portas e me deixassem tocar minhas músicas lindas e arrepiantes e, surpreendentemente, eles concordaram. Eu lembro que eu estava tão nervoso na noite da minha apresentação. Será que ela estaria lá? Eu não podia vê-la no meio da multidão. É claro que ela não estaria aqui eu era um amador. Eu toquei por horas e horas , mas para mim pareceu que foram alguns minutos. Eu tenho que admitir que aquilo me arrepiava até os ossos. Quando terminei eu simplesmente me levantei e fiz uma reverência para o público , mas só havia silêncio. Um silêncio frio. Será que não toquei bem o suficiente ? Um bater de palmas súbito me trouxe de volta à realidade. Olhei para cima e a vi. Era ela quem aplaudia e logo outros começaram a se juntar a ela . Tivemos uma festa depois da apresentação e ela veio e começou a falar comigo , me dizendo o quanto ela admirou e gostou da minha performance.

Depois daquela noite, mantivemos contato e conversamos quase todos os dias . Mas à medida que íamos falando ... a voz dela ... Eu podia ouvi-la cada ficar mais fraca a cada dia. Em seguida, as histórias iam chegando que as pessoas estavam caindo como moscas , as pessoas que foram para me ver tocar. Isso continuou acontecendo e eu não podia fazer nada sobre isso. Eu esperava desesperadamente que o que estava acontecendo com Alice não fosse minha culpa, que não fosse o que aconteceu com os outros. Mas, infelizmente, a pobre moça morreu em seu sono. Os médicos não encontraram nada de errado com ela e não tem certeza sobre a causa. Eles simplesmente dizem que ela apenas adormeceu e não acordou . Fiquei arrasado e ainda estou . A pessoa que eu amava . Eu finalmente a consegui e agora ela simplesmente ... desapareceu.

Decidi confrontar aquele maldito demônio. Eu faria ele me dizer o que diabos estava acontecendo. Então eu o invoquei.

"Alguém não leu o contrato inteiro, hum?".Ele apenas riu da minha miséria. Mas ele estava certo, eu não tinha lido corretamente , eu não tinha lido nada. Pedi para ver o contrato e ele concordou alegremente . Eu li a coisa toda desta vez e foi aí que eu percebi. “Tenho a honra de dar ao cliente um talento musical incrível, mas a música que ele criará trará azar de todos aqueles que a escutarem, incluindo a morte”. Eu era a causa da morte dela... era eu. Eu queria parar de tocar qualquer piano, eu não queria que ninguém mais sofresse pelas minhas mãos.

E por isso, se você estiver passando pela rua ou perto de um teatro vazio e ver no palco um pianista solitário sentado em seu piano tocando uma música linda, mas arrepiante, cubra seus ouvidos e saia calmamente . Não diga nenhuma palavra e não ouça a música completa ou você vai acabar como o resto deles , morto.


Bons Pesadelos...

Tormento - Creepypasta.

Tormento é uma creepypasta feita pelo Acervo Maldito. Ela é bem pequena e ao mesmo tempo que simples, ela expressa de uma maneira bem sombria e macabra o tem "tormento."