O Diabinho da Garrafa



Também conhecido como, Cramulhão, Capeta da Garrafa, entre outros nomes, este ser é fruto de um pacto que as pessoas afirmam que se pode fazer com o diabo. Este pacto consiste, na maioria das vezes, de uma troca: a pessoa pede riqueza e em troca dá a alma ao diabo.

Feito o pacto, a pessoa tem que conseguir um ovo, do qual nascerá um diabinho de 15 a 20cm aproximadamente. Más não se trata de um simples ovo de galinha, e sim um ovo especial, fecundado pelo próprio diabo.

Segundo muitos, o Diabinho da Garrafa tem as seguintes características:

1. Nasce de um ovo. Em algumas Regiões do Brasil, acredita-se que ele pode nascer de uma galinha fecundada pelo diabo; noutras Regiões, acreditam que ele nasce de um ovo colocado não por galinha, mas sim por um galo. Este ovo seria do tamanho de um ovo de codorna.

2. Para conseguir tal ovo, a pessoa deve procura-lo durante o período da Quaresma ; e na primeira sexta-feira após conseguir o ovo, a pessoa vai até uma encruzilhada, à meia-noite, com o ovo debaixo do braço esquerdo. Após passar o horário, retorna para casa e deita-se na cama. No fim de 40 dias, aproximadamente, o ovo é chocado e nascerá o diabinho.

3. Com o diabinho, a pessoa coloca-o logo na garrafa e fecha bem fechado. Com o passar dos anos, o diabinho enriquece o seu dono, e no final da vida leva a pessoa para o inferno.


Essa lenda é tão famosa que teve uma versão na novela Renascer da Globo, veja






Você venderia sua alma? Você tem seu preço?
Bons Pesadelos...

Vai Buscar




O Canal Lenda Urbana está lançando cada video melhor e mais assustador que o outro, fazendo crescer o terror no Brasil!!!
Nesse video, quem nunca teve medo de buscar alguma coisa inusitada que sua mãe pediu...

Bons Pesadelos...

REC Recordações Macabras - Parte 06 / Creepypasta

REC, Recordações Macabras - Parte 06 é a continuação de uma creepypasta inédita do Acervo Maldito. Após os acontecimentos do episódio anterior o clima vem ficando cada vez mais tenso e dessa vez Felipe e Lucas ( personagens) conhecem uma nova pessoa vai acompanhá-los pela estrada.

Sede Durante a Noite




Novo video do #ProjetoTerror em parceria com o Milho Wonka...

Boa Noite...

Pegadinha Palhaço Assassino 3




ELES NÃO PARAM!!!! O Palhaço Assassino ataca de novo e agora em dupla!!!!
O que você faria?

Bons Pesadelos...

Pegadinha Aranha Gigante




Não podemos negar que as pegadinhas de terror estão cada vez mais criativas!! Dessa vez colocaram uma fantasia de aranha em um cachorro transformando ele num cachorro gigante assustador! Você tem medo de aranha?

Bons Pesadelos...

Pesadelo - Creepypasta

Essa creepypasta que apresentarei hoje foi escolhida como vencedora de um concurso cultural realizado pelo Medo B, Acervo Maldito e Milho Wonka em nosso grupo do facebook...

Recebemos diversas histórias e todas elas foram incríveis aliás, se pudéssemos todas elas receberiam prêmios, mas...


Parabéns Larissa Medeiros, entraremos em contato por email para que você possa retirar seu prêmio.



Lembro de quando cheguei aqui, não estava assim.

 Levantei da poltrona, todos tinham sumido. As luzes estavam apagadas, algumas piscando. Eu não ouvia mais nada, era tudo silencioso, silencioso até demais... Caminhei até a porta, ela estava escancarada para trás, foi então que senti aquele cheiro podre. Não estava entendendo mais nada.

 Empurrei a porta para trás e quando pus os pés para fora daquela sala cheguei a sorrir, pois só podia ser piada. As paredes estavam marcadas com sangue e era dali que exalava o cheiro ruim.

 Sempre fui uma pessoa séria e metida a corajosa, mas aquilo estava realmente estranho.

 Dei passos lentos até o outro corredor, nunca tinha me dado conta de como aqueles corredores eram compridos, longos corredores completamente brancos, marcados com sangue e com um cheiro desagradável. Estava me sentindo em um labirinto.

 Logo que virei no próximo corredor tomei um susto, mas acabei rindo de mim mesma, era só meu reflexo no espelho.

 Tentei abrir a porta da recepção, mas estava trancada, lá dentro havia um telefone. Tentei abrir a porta de saída, também estava trancada... Aquilo estava começando a ficar sem graça. Meu celular e chaves de casa tinham sumido de meus bolsos.


“Que merda tá acontecendo aqui?”


 Senti o coração apertar quando ouvi batidas vindo de outro corredor, foi apenas um susto. Então ouvi som de correntes vindo de mais um corredor, por algum motivo aquele som me deixou um tanto nervosa. Do lado das correntes, também ouvi passos, por um momento senti um alívio cair sobre mim, não estava sozinha. Sem pensar duas vezes fui em direção ao som dos passos e ao chegar no outro lado, eu gelei...

 Era a mulher que eu sempre via... Aquela mulher magra, alta, pálida, loira com cara de louca... Ela sempre tentou me matar...

 Ela sorriu para mim com aquela expressão que fazia meu sangue parar de circular. Em suas mãos carregava uma corrente e caminhava em minha direção vagarosamente...

 Aquela garota metida a corajosa? Acabou de sumir... Corri em direção ao outro corredor e tudo que ouvia era as gargalhadas dela.

 Corri, corri o mais rápido que pude para longe daquele corredor. Achei uma porta aberta e me refugiei ali, tranquei a porta. Fui até um armário e me escondi nele, como uma criança desesperada. Fechei meus olhos e respirei fundo, só podia estar delirando de novo... Tudo se silenciou novamente.


 Uma respiração pesada e lenta começou... Podia senti-lá a frente do meu rosto, muito próxima... A respiração tocava minha face até que ouvi ao pé do meu ouvido:


-Abra seus olhos...


 A respiração ficava mais forte e começaram batidas na porta. Espremi os olhos, não queria ver o quê era e naquele momento me arrependi de ter me negado; Algo gelado tocou meu rosto e começou a puxar meus olhos para abri-los. Acabei abrindo...

 Sorriu com as mãos grudadas em meus olhos e tudo que consegui fazer naquele momento foi chorar. Não sabia se aquilo era uma pessoa, um animal, um monstro...

 A porta do armário abriu.


Por que fugiu? - Ela perguntou rindo.


 Pegou-me pelos pés e me arrastou para fora do armário. O outro ser segurou meus braços e a mulher entregou a corrente para o outro, ele me prendeu e ela sentou em cima de mim. Puxou meus olhos novamente para que ficassem abertos e começou a sorrir psicoticamente.



4, se concentra em minha voz.


 Com um dos dedos a mulher começou a passar a unha dentro do meu olho.


3, respira fundo.


 A agonia me tomou conta. A unha começou a forçar contra meu olho.


2, nenhuma ferida é real .


 A dor e a angustia já me consumiam. A unha estava perfurando meu olho e sentia o sangue escorrer por meu rosto.


1, Rosemary, acorda!


 Abri meus olhos mais uma vez, agora tudo estava diferente: Todas as luzes acesas, apenas cheiro de limpeza e o som de tudo funcionando. Katherine, minha psiquiatra, estava a minha frente com aquela expressão preocupada rotineira. Eu tentei levantar, mas a camisa de força atrapalhou.

 A consulta acabou, o enfermeiro me acompanhou até meu quarto enquanto eu observava aquele corredor longo e branco, agora limpo.

 Entrei no meu dormitório e sentei em minha cama esperando que chegassem com os sedativos.

 Senti uma picada, logo uma tontura e meus olhos começaram a ficar pesados. O enfermeiro tirou minha camisa de força e me deitou na cama, logo que saíram fechei os olhos, mas algumas batidas me impediram de dormir de vez. Levantei um pouco a cabeça para ver o quê era... Lá estava ela... Sorrindo e acenando do outro lado da porta...


Rose, estou te esperando.