20 de novembro de 2014

Pratos VIVOS

Semana passada eu vi muita gente com "nojinho" quando os participantes do Master Chef tiveram que matar um Caranguejo pra preparar um prato. Isso me deu uma idéia de post, e uma parte do blog que eu não atualizava a algum tempo, os PRATOS MACABROS.

ao redor do mundo existem vários pratos que não se precisa matar pra comer, você come VIVO mesmo!!!
Vejam 4 deles, se você tiver estômago hahahahaha.


1 - POLVO

O povo lá do Oriente parece que aprecia esse prato que é Polvo vivo, ou como eles chamam lá Sannakji.
Alguns restaurantes não servem esse prato "inteiro", eles preferem cortar o polvo em pedacinhos, e apesar de você ainda ver os tentáculos se mexendo, isso diminui o risco de você MORRER com eles grudados na sua garganta!

Sim, esse risco é sério, e você pode perceber como ele gruda vendo esse video dessa Coreana comendo um polvo VIVO e inteiro sem o menor jeito...






Será que é bom isso ou as pessoas comem só pra gravar um video pro YouTube? Olha a mulher mastigando, parece borracha, ela fica HORAS mastigando. Tem que ser muito bom pra correr o risco de morrer comendo alguma coisa, tem que ter gosto de Cheddar do McDonalds.


2 - SAPO

Em lugares estranhos como Japão, China e Vietnã se come SAPO VIVO.
Esse video é um pouco mais forte(é o mais pesado da lista), com cenas de tirar pele do Sapo e tal, então talvez você queira pular esse... ou Tem Coragem?
Apesar deles cortarem  e destroçarem o Sapo antes de servir, ele ainda chega vivo na mesa...






E vocês de frescurinha por causa de um Caranguejo eim? Comeria um Sapo piscando pra você no prato?


3 - Aranha

Não é qualquer Aranha, é uma Tarântula ENORME!
O cara desse video se chama Louis, e seu canal se chama "Food for Louis". Ele já esteve aqui no Medo B antes, e o canal dele é só ele comendo coisas muito bizarras e nojentas pelo mundo! Um cara de CORAGEM! Pena que o canal parou de ser atualizado a 1 ano... #VoltaLouis

Agora não vamos fugir do "prato". Muita gente tem pavor de Aranha, o que diria de colocar uma enorme inteira e viva na boca?






Deu até fome né?


4 - Vermes

Casu Marzu é um queijo famoso e proibido da Itália, mas feito mesmo assim clandestinamente. Ele é um queijo podre que tem laras de mosca dentro.
Ele já teve aqui no Medo B, mas vale a pena ver de novo pela nojeira!!! (As larvas estão vivas, então valeu no post)






Como eu sou louco por queijo, apesar do nojo tenho curiosidade de provar esse queijo e vocês?



Pra terminar o post e mostrar como o Brasileiro ta muito fresco, olha essa pegadinha do Ivo Holanda. Nela ele oferece "Linguiça fresca" no mercado. OLHA COMO AS PESSOAS QUEREM LINGUIÇA MAS NÃO QUEREM MATAR O PORQUINHO PRA TER LINGUIÇA, COMO PODE?






Boa próxima refeição depois desse post...

19 de novembro de 2014

O Homem que foi a Marte.


Um advogado americano, Andrew D. Basiago afirma já ter ido a Marte!

Ele diz que já trabalhou com a CIA quando era criança no Projeto Pegasus, para descobrir os segredos do Teletransporte e viagem no tempo.
Basiago afirma que se teletransportou pela primeira vez no final dos anos 60, e que o teletransporte já existe a mais de 40 anos. Ele também diz já ter viajado para o futuro, para o ano de 2045 e vem revelando segredos aos poucos em entrevistas nos EUA.

Sua primeira viagem para Marte foi nos anos 80 por teletransporte também, e durou apenas minutos a "viagem".
Junto com Willian B. Stillings, um amigo dele que confirma suas afirmações, Basiago afirma que o presidente Barack Obama também já esteve em Marte junto com ele e viveu por lá algum tempo.

A Casa Branca já respondeu essa afirmação falando que Obama nunca foi para Marte. "Só se ele foi assistindo Marvin, O Marciano" falou o Porta Voz da Casa Branca.Mas quem acredita na Casa Branca?


Andrew Basiago faz campanha para que o governo dos EUA revele a verdade como já ter vida em Marte, o teletransporte e a viagem no tempo, incluindo o fato que os EUA tem acesso de acontecimentos do futuro.
Outra coisa revelada por Basiago é que não existe só vida humana em Marte, existem extraterrestres inteligentes e também animais extraterrestres vivendo por lá.


Entrevista do Andrew Basiago




Afirmações do Basiago já chegaram a TVs Russas.
Basiago também anunciou sua candidatura a eleição presidencial dos EUA em 2016.

Será que o "Mars One" é uma forma de começar a contar a verdade sobre a vida em Marte? Será que 16 participantes não estão indo lá pra ficar sozinhos abandonados no Universo?
Faz sentido mandar pessoas para lá sem volta, e que se der qualquer defeito na comunicação simplesmente vão morrer lá sem trazer nenhuma vantagem da sua vida?
Ou será que tem todo um segredo por trás?



A Verdade está lá fora...

18 de novembro de 2014

Ajude o Medo B! - Patreon

http://www.patreon.com/medob


Olá Fãs do Medo! ​

​O Terror não é uma coisa muito popular no Brasil, todos nós que gostamos sabemos disso. ​

​Eu sou fã de Terror desde criança vendo filmes, e depois lendo livros. ​A quase 7 anos atrás tive a idéia de montar um blog pra "arquivar" coisas que eu achava e gostava de terror, e assim nasceu o Medo B.
​Pra minha surpresa várias pessoas começaram a visitar e a gostar do blog, e o Medo B foi crescendo e virou um grande blog de Terror! ​

​Eu faço o Medo pq realmente gosto muito de terror. Eu ganhava alguma coisa com o adsense no inicio, nunca foi nada de mais, mas agora nem isso eu ganho mais porque a 1 ano atrás o Google excluiu o Medo B do adsense alegando que ele tinha posts e imagens de acidentes de carro e fraturas de ossos?
​Apesar deu recorrer inúmeras vezes, eles nunca voltaram atrás.
​Todos os leitores sabem que o Medo B não tem nada disso. Aqui eu mostro o terror como diversão, filmes, livros, jogos, histórias. O que mais tem de real lá são os Serial Killers, o Circo do Medo e as "conspirações", mas nem no Serial Killers eu coloco imagem de nada que seja ofensivo ou pesado. ​

​Também não tenho patrocínio. Algumas empresas me dão livros e ingressos de filmes pra sortear no blog ou pra mim mesmo, mas não pagam pela propaganda, as vezes não pagam nem o envio desses brindes aos leitores! O que eu mais recebo como resposta é: "A empresa não quer seu nome relacionado ao terror". ​


​ ​Mesmo assim eu gosto muito de fazer o Medo B e vou continuar fazendo e sempre tentando aumentar ele ainda mais.
​Já temos o Medo B, o Drops e o Contos. Eu quero voltar a fazer lives, o Medo C e até fazer um canal ainda. Mas pra isso eu preciso do famoso tempo($$$) ​

​Então como vcs podem ver, diferente de outros blogueiros o Medo B não ganha dinheiro até por um certo preconceito das empresas, afinal meus leitores também bebem refrigerante e outras coisas. Então o jeito que eu pensei pra poder ganhar mais tempo($$$) para o blog é vocês me ajudarem! ​

​O blog vai continuar, e vai continuar gratuito! Agora os leitores que quiserem e puderem ajudar, e gostarem do blog e acharem que ele merece essa ajuda, podem se tornar os patrões do Medo B e doar a quantia que desejarem!
​As doações podem ser de 1 dólar por mês, quem puder dar mais pode doar até 50 dólares por mês, o que vocês puderem já é uma grande ajuda!
​Vocês podem pagar em cartão de crédito ou boleto.

Quer ajudar? Clique aqui: http://www.patreon.com/medob

​ ​Obrigado desde já a todos que gostam do Medo B


Eu costumava não ter medo...



Filmes de terror nunca me assustaram de verdade. Livros de terror não tinham nenhum efeito. Casas mal-assombradas não faziam sentido. Eu nunca fui uma criança que cobria o rosto com o cobertor para dormir, ou mantinha o abajur aceso a noite. Quando eu era pequena eu nunca senti necessidade de rastejar até a cama de minha mãe por causa de um pesadelo. Pra começo de conversa, eu nunca tive muitos pesadelos, e os poucos que eu tive, nem poderiam ser considera-los “pesadelos”.

Eu simplesmente nunca tive medo do que se escondia na noite. O sistema de segurança de nossa casa mantinha o verdadeiro “perigo”, humanos com intenções obscuras, bem longe, assim como nosso Rottweiler, que tinha o lindo nome de Assassino. E além de nossos muros, bem, quem poderia temer algo em uma comunidade branca de classe alta? Eu vivi a vida toda dentro de uma bolha de plástico, sem saber o que era medo.
Então por que motivo eu teria medo do escuro?
Até esse momento eu não tinha. Eu via como algo infantil e sem lógica. Obviamente, eu não me sinto mais desta forma. Estou escrevendo isso para avisar você, pois agora é muito tarde pra mim. Eu sei disso agora, e isso me trouxe uma certa calma... Quando eu terminar de te avisar você, tudo vai estar acabado. Então me perdoe se eu estou falando demais... Eu aproveitei a vida um pouco mais do que eu estou disposta a admitir.
Tudo começou com algo que eu achei ser um vírus. Eu tinha sido direcionada para um vídeo chamado "Meninas e Meninos Saem para brincar." Soava bastante inofensivo. Eu achava que era um filme de estudantes de arte, na verdade. A pessoa que tinha me passado o link prometeu que era muito bom. Valia a pena assistir. Eu não consigo lembrar do vídeo. A única coisa que me lembro era a sensação que ele me trouxe. Não era medo, mas era bem perto disso. Era muito desconfortável, eu estava nervosa. E também fiquei vagamente enjoada.
Daí em diante as coisas só ficaram piores. O papel de parede do meu computador tinha mudado para uma foto de uma jovem mulher com um olhar perturbador, me fitando como se fosse de um abismo negro.
Todo o momento então, e com frequência crescendo a cada dia, barulhos estranhos eram emitidos do meu computador, mesmo quando o som não estava ligado. Gritos, risadas estranhas, rangidos...
No momento, eu estava irritada; o medo não haviam me atingido ainda. Então, rostos começaram a "pular" na tela, tipo esses programas ridículos que aparecem rosto gritando que costumavam a assustar meus amigos no ensino médio. Mas era diferente. Eles pareciam reais. Eram rostos de mortos; e eles tinham tido mortes violentas. Eu queria dizer que eu parei de usar meu computador, mas eu não podia. Meu trabalho necessitava que eu usasse meu computador frequentemente. O que eu devia fazer? Não havia mais nenhum computador disponível pra mim. Eu até tentei levar em algum lugar o computador para retirar o vírus, mas ninguém pode me ajudar. Diziam que não havia vírus algum. Falaram que meu computador estava bem.
Mas a coisa só piorava. Os rostos não estavam só aparecendo; eles ficavam. E com aqueles olhos horríveis, apodrecidos, eles prendiam meu olhar. Eu não conseguia desviar o olhar deles e de seus terríveis sorrisos provocantes. E...Meu Deus, o cheiro. Meu computador sempre tinha um cheiro vago de morte em volta dele.
Eu pensei que estava ficando louca. Eu pensei que talvez alguém estivesse zoando comigo. As pessoas na loja onde tentei reparar o computador não faziam ídeia do que estavam falando. Algo estava errado,e eu sabia que tinha concertado. Então, eu comprei um computador novo. Tudo estava legal por um tempo, mas tudo voltou, e com força total. Agora haviam vozes. Agora havia gritos. Agora, os rostos apodrecidos mostravam também os malditos corpos. Eu podia ver cada larva, cada mosca, cada espacinho com pus... E eles estavam me chamando. Falando que em breve, muito em breve, eu estaria me juntado a eles. Eles estavam com muita raiva que eu tinha tentado me livrar deles, e agora me fariam pagar.
Eu não sabia o que fazer. Ignorar o problema não estava funcionando. Eu pensei que era culpa de meus colegas de trabalho. Talvez isso tivesse vindo com um e-mail que eles tivessem me mandando? Eu nunca pensei ser o vídeo. Nem por um segundo. Depois de tudo, isso não era lógico.
Eu estava no fundo do poço. Hoje, eu despluguei o computador e comecei a empacotar. Eu iria sair de férias, limpar minha cabeça, e rezar que tudo voltasse ao normal. A algum minutos atrás eu percebi que eu não iria. A eletricidade caiu, e pela primeira vez na minha vida, eu senti medo de verdade. Eu não tinha ideia que em alguns momentos, eu me tornaria entorpecida. Eu cambaleei pela casa, procurando por uma lanterna, quando eu vi que algo ainda estava produzindo luz.
O computador.
O computador desplugado estava ligado, e a mulher no papel de parede estava se movendo. Acenando pra mim. Eu não pude controlar minhas pernas. Sentei-me em frente dela do outro lado do quarto com a escuridão em minha volta. E então a mulher, como todas as outras imagens que eu havia visto antes, começou a apodrecer. A cena toda apodreceu, e depois a tela ficou preta. E sem luz, sem um meio de ver meu reflexo, eu a "vi" no escuro atrás de mim por um breve momento, uma faca ensanguentada e enferrujada na mão. O computador voltou à vida , e meu papel de parede tinha retornado.
Mas eu sei que não acabou ainda.
Então eu decidi vir aqui. Eu sei que vocês gostam de ficar assustados, certo? Bem, ouça isso de alguém que só recentemente descobriu o medo: Nem sempre vale a pena, e nem tudo é divertido e um jogo. Claro, você provavelmente não vai acreditar em mim. Por que deveria?
É o seguinte... Eu não fui totalmente honesta com você. Não havia vídeo algum. Era uma história. Uma história parecida com essa, com uma um enredo um pouco diferente e talvez com uma melhor narrativa. Eu sei que vocês gostam de histórias que dão um bom medo. Provavelmente é por isso que você começou ler a minha.
Agora que você leu isso, você vai ter o mesmo destino que eu. Eu sei que é cruel, talvez injusto, mas tem de ser feito. Eu só espero que você se conforte sabendo que quando eu for a mulher assombrando seu computador, eu serei mais gentil. Se eu puder, eu usarei uma lâmina que seja menos cega. Fotos daqueles que vieram antes de nós mim que estejam menos grotescas. Sons que sejam menos alarmantes. Mas, novamente, você GOSTA de ficar assustado, não é?
Não se preocupe, eu não vou pedir pra você repostar isso cinco vezes em lugares diferentes. Nada vai salvar você. Porque depois de tudo, nada pode me salvar. A eletricidade ainda está desligada. E agora, atrás de mim, a uma mulher me esperando. Eu verei você em breve.
Tchau...por enquanto...


Tradução do Mohamed
Bons Pesadelos...

17 de novembro de 2014

Uma história para assustar meu filho



“Filho, nós precisamos ter uma conversa sobre segurança na internet.” Eu lentamente me sentei perto dele. O seu laptop estava aberto, e ele estava jogando Minecraft em um servidor público. Os seus olhos estavam vidrados na tela. Haviam comentários do lado da tela em um chat. “Filho, você pode parar o seu jogo por um minuto?”
Ele saiu do mundo do jogo, fechou o laptop e olhou para mim. “Papai, isso será mais uma história assustadora e brega?”
“O quê?!” Eu fingi uma dor por um segundo, e então sorri para ele, “Eu pensei que você gostava das minhas histórias.” Ele cresceu ouvindo minhas histórias sobre crianças que encontraram bruxas, fantasmas, lobisomens e trolls. Assim como muitas gerações de pais, eu usava histórias assustadoras para reforçar a moral e ensinar lições de segurança. Pais solteiros como eu devem usar todas as ferramentas a sua disposição.

Ele fechou a cara um pouco, “Elas eram legais quando eu tinha seis anos, mas agora estou ficando mais velho, elas não me assustam mais. Elas são meio idiotas. Se você vai me contar uma história sobre a Internet, você pode fazê-la muito assustadora!?” Eu fiquei espantado com a sua incredulidade. Ele cruzou os seus braços, “Papai. Eu enho 10 anos, eu posso lidar com isso.”
“Hmm… Okay… Eu vou tentar.”
“Era uma vez, um garoto chamado Colby…” A expressão dele indicou que ele não tinha se impressionado com o terror da introdução. Ele suspirou e continuou a ouvir mais uma das histórias de seu pai. Eu continuei…
“Colby entrou na internet e entrou em vários sites infantis. Depois de um tempo ele começou a conversar com outras crianças in-game e em chats dos jogos online. Ele fez amizade com um novo garoto de 10 anos de idade chamado de Helper23. Eles gostavam dos mesmos jogos e programas de televisão. Eles riam das piadas uns dos outros. Eles exploraram novos games juntos.
Depois de vários meses de amizade, Colby deu para o Helper23 seis diamantes no jogo que eles estavam jogando. Isso foi um presente muito generoso. O aniversário do Colby estava chegando e o Helper23 queria mandar um presente legal na vida real, Colby achou que não faria nenhum mal dar ao Helper23 o seu endereço, já que ele havia prometido não dizer para estranhos. Helper23 jurou que não diria para ninguém, nem para os seus próprios pais, e então começou a enviar o pacote.”

Eu pausei a história e perguntei para o meu filho “Você acha que foi uma boa ideia?” “Não!” ele disse chacoalhando a cabeça vigorosamente.

“Bem, nem o Colby. Ele se sentiu culpado por ter dado o seu endereço, e a sua culpa começou a crescer, e crescer. Na hora que ele colocou o seu pijama na noite seguinte a sua culpa e o seu medo, estavam maior do que qualquer outra coisa em sua vida. Ele resolveu contar a verdade para os seus pais. A punição seria severa, mas poderia limpar sua consciência. Ele se afundou em sua cama enquanto esperava os seus pais irem cobri-lo.”
Meu filho sabia que a parte assustadora estava chegando. Apesar de sua conversa sobre não ter mais medo dessas coisas, ele se inclinou para frente com seus olhos bem abertos. Eu falei silenciosamente e deliberadamente.

“Ele ouviu todos os barulhos da casa. A máquina de lavar balançando na área de serviço. Galhos batendo nos tijolos do lado de fora de seu quarto. Seu irmão bebê balbuciando no berço. E haviam alguns outros barulhos que ele não conseguia… identificar… Finalmente, os passos de seu pai ecoavam lá embaixo. “Ei, Pai?” Ele disse meio nervoso. “Eu tenho algo para te contar”
Seu pai enfiou a cabeça pela porta de um ângulo estranho. Na escuridão, a sua boca não parecia se mover e os olhos estavam estranhos. “Sim, filho” A voz estava longe também. “Você esta bem pai?” O garoto perguntou. “Uh-huh” sussurrou o pai com a sua voz estranhamente afetada. Colby se cobriu defensivamente, como quem queria se esconder debaixo do cobertor. “Ummmm… A mamãe está em casa?”
“Aqui estou!” A cabeça da mãe apareceu um pouco abaixo da cabeça do pai. A voz dela também estava diferente. “Você ia nos contar que você deu o nosso endereço para o Helper23? Você não deveria ter feito isso” Nós te AVISAMOS para nunca dar informações pessoais nossas na Internet!”
Ela continou, “Ele não era uma criança de verdade” Ele apenas fingia ser uma. Você sabe o que ele fez? Ele veio na nossa casa, arrombou a porta e nos matou” Só para que ele pudesse passar um tempo com você!”
Um homem gordo com uma jaqueta molhada apareceu no quarto segurando duas cabeças cortadas. Colby gritou e engasgou quando o homem jogou as duas cabeças no chão e puxou sua faca e se moveu em direção ao Colby.
Meu filho gritou também. Ele cruzou os braços defensivamente acima de seu rosto. Mas nós estávamos apenas começando com a história.
“Depois de várias horas, o menino estava quase morto e seus gritos se tornaram choramingos. O assassino percebeu o gemido do bebê no outro quarto e retirou a faca do corpo do Colby. O bebê teria um tratamento especial, ele nunca havia assassinado um bebê antes e estava animado com a oportunidade. Helper23 deixou Colby para morrer e seguiu os choros pela casa até o quarto da criança.
No quarto, ele andou até o berço, pegou o bebê e o segurou pelos braços. Ele levou a criança até a mesa de troca para ter uma visão melhor. Mas enquanto ele segurava o bebê o choro parou. A criança olhou para cima e sorriu. Helper23 nunca havia segurado um bebê. Ele balançou lentamente a criança como um profissional em seu colo. Ele limpou sua mão cheia de snague no cobertor para que ele pudesse apertar a bochecha da criança. “Olá pequeno carinha” A fúria e o sadismo se tornaram algo mais aconchegante e leve.
Helper23 saiu daquele quarto, levou a criança para casa, deu o nome William para ele e o criou como se fosse seu.
Depois de terminar a história, meu filho estava visivelmente abalado.Ele disse gaguejando “Mas pai, O MEU NOME É WILLIAM”. Eu dei uma piscada para ele e passei a mão sobre os cabelos dele. “É claro que é filho.” William correu para o seu quarto soluçando de medo.
Mas no fundo no fundo… Eu acho que ele gostou da história.



Tradução Rafa Matos
Bons Pesadelos...

16 de novembro de 2014

Melodia

Uma musica pode ser marcante para sempre...
O Lenda Urbana prova isso pra você!










Bons Pesadelos...

15 de novembro de 2014

Playback

O gênero Slasher foi o favorito dentro do terror por 2 décadas nos anos 80 e 90 dando origem a vários dos monstros mais famosos dos cinemas hoje em dia como Jason, Freddy, Mike Myers entre outros.

Hoje o gênero não é mais o favorito, mas ainda tem uma geração de fãs. Um desses fãs fez um curta de 3 minutos para homenagear o Slasher, com assassino usando máscara e... Não vou contar tudo né. Assista PLAYBACK

(O curta não tem muitas falas então não é necessário legendas)










Bons Pesadelos...